Menopausa: como lidar com a insônia

O sono parece ser importante para a qualidade da saúde e para a longevidade. É importante também para restabelecer o bem estar físico e mental. Consolida a memória e ajuda no sistema imunológico.

Além do que, uma noite bem dormida faz com que se tenha condições de enfrentar as tarefas diárias. Durante o sono são decretados hormônios do crescimento e a prolactina.

Vários estudos têm demonstrado que as mulheres têm mais insônia do que os homens, provavelmente devido às alterações hormonais como TPM ( tensão pré-menstrual ). As variações aparecem tanto na qualidade como na quantidade do sono.

Em relação ã menopausa, poderíamos pensar que já que o sono está relacionado às alterações hormonais, nessa fase da vida isso se resolveria, porém não é o que verificamos. Na menopausa aumenta muito a incidência de insônia, ronco, apneia e pernas inquietas. A insônia acomete cerca de 60% das mulheres na pós-menopausa. Alguns dos motivos: os fogachos (ondas de calor) podem levar ao despertar; alterações de humor; mudança social: os filhos se casam ( síndrome do ninho vazio), elas se aposentam.

Durante a menopausa ocorre tanto diminuição de estrogênio quanto de progesterona. A progesterona é considerada um estimulante respiratório e com sua ausência aumenta o índice de apneia. Esta por sua vez faz com que o sono fique fragmentado podendo levar à hipóxia que faz a paciente despertar para respirar. A insônia por ansiedade ou mesmo as pernas inquietas também podem fazer a pessoa acordar várias vezes a noite.

Temos várias maneiras de tratar, porém é muito importante a que a pessoa procure um médico especializado para que seja feito o diagnóstico e o melhor tratamento. Havendo a necessidade serão realizados exames complementares para esclarecer a causa da insônia ou verificar se não há outros distúrbios do sono. Pode ser realizada terapia hormonal, orientações para uma dieta com pouca gordura, o uso de derivados de soja, a prática de atividade física, o estímulo de atividades prazerosas. Tratamentos para ansiedade e depressão também podem ser de grande ajuda.

Por fim reitero a importância da procura por um profissional da área para o diagnóstico e melhor tratamento.