Você sabia? Alimentação e exercícios físicos auxiliam na diminuição das cólicas menstruais e da TPM

Confira dicas de especialistas para aliviar os sintomas

por Carolina Bozzi

Segundo a SOGESP, Associação de Obstetrícia e Ginecologia de São Paulo, existem dois tipos de dismenorreia,  popularmente conhecidas como cólicas menstruais: A primária, não associada à doenças e a secundária, causada por enfermidades como a endometriose, o mioma uterino e a doença inflamatória pélvica.  De acordo com a Associação, tanto a cólica primária quanto a secundária, são decorrentes do aumento de prostaglandinas, células similares a hormônios que atuam no endométrio, causando a dor abdominal.

Pesquisas feitas pela Associação, constataram que nem todas as mulheres têm cólicas e que a decorrência das dores varia de organismo para organismo. “Geralmente elas aparecem durante o sangramento menstrual e podem ser mais intensas no segundo e terceiro dia do ciclo”, explica Carla Gimenes, especialista em ginecologia endócrina e climatério pela Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP.



Ilustração: Adenilson Maciel

 

Como tratar as cólicas?

Por ser algo natural dos hormônios, não há um tratamento específico. Mas a ginecologista afirma que para o alívio das contrações abdominais, são receitados analgésicos, antiinflamatórios e anticoncepcionais.

A especialista também esclarece que é mito o que algumas pessoas dizem sobre o fato de que lavar o cabelo durante o período menstrual ou ingerir bebidas geladas aumentam as dores. “Friagem nos pés também não tem relação”, explica.

Além do uso de antiinflamatórios, analgélsicos e anticoncepcionais, uma outra alternativa para reduzir as cólicas é a prática de exercícios físicos e uma boa alimentação. É o que relata a nutricionista Rosemary Oliveira, que recomenda chás de camomila, erva doce e maracujá. “O gengibre também é indicado, pois tem uma ação antiinflamatória”, afirma.

Rosemary acrescenta que durante o ciclo menstrual, deve-se evitar beber café e derivados, além de açucares, sal e álcool, pois segundo a especialista, esses alimentos causam inchaço, o que contribui para o aumento das dores no abdômen.

O personal trainer Fernando Mazota, explica que os exercícios físicos auxiliam na redução das dores devido à melhora na circulação e no fortalecimento muscular, mas que devem ser praticados com moderação. “Atividades físicas intensas podem ocasionar desregulação do ciclo menstrual e em casos extremos até amenorreia (ausência de menstruação). Por isso, é necessário realizar as atividades com acompanhamento de um profissional”, afirma.

E a TPM? 

Dores de cabeça, inchaço, mastalgia (dores nas mamas), aumento do peso, dor nos membros inferiores, náuseas e vômitos, fadiga, alteração do apetite, compulsão por doces, mudanças no trânsito intestinal e emocionais, são sinais da Tensão pré-menstrual ou Síndrome Pré-menstrual, a famosa TPM, que surge antes da menstruação e que segundo especialistas, interfere no desempenho das funções habituais da mulher.  “Os sintomas ocorrem de sete a dez dias antes da menstruação e surgem devido às alterações hormonais do estrogênio, da progesterona, das endorfinas e das células prostaglandinas”, explica a ginecologista Carla Gimenes.

Quanto às alterações psicológicas, Gimenes afirma que surgem devido à ansiedade e depressão causadas pelas alterações hormonais, onde estão inclusos nervosismo, irritabilidade, oscilações de humor, intranquilidade, choro fácil, isolamento e perda de autoestima. “Acompanhando esses sintomas, as pacientes também se queixam de insônia, cochilos inoportunos, esquecimento e dificuldade de concentração”, explica.

Tratamentos 

Assim como a cólica, a ginecologista afirma que não há um procedimento farmacológico especifico para a TPM devido o desconhecimento da causa exata desse problema. “Tratamos de acordo com os sintomas. Em casos de depressão usamos antidepressivos, para enxaquecas, receitamos antiinflamatórios não hormonais. Também podemos indicar os anticoncepcionais orais”, declara.

A especialista explica que a prática de exercícios físicos ajuda a liberar as tensões emocionais e ativam o sistema de endorfinas, substâncias naturais do cérebro, e que o ideal também seria uma alimentação balanceada com baixo consumo de sal e gorduras para aliviar os sintomas.  É o que complementa a nutricionista Rosemary,  que recomenda a ingestão de alimentos ricos em magnésio e vitamina B6. No caso, frutas frescas e secas, aveia e castanhas. “Uma alimentação saudável contem todos os nutrientes necessários para liberar serotonina e diminuir as tensões emocionais”, afirma.

Rosemary indica uma dieta de alimentos como beterraba, alcachofra, quiabo, salmão, azeite de oliva, nozes, linhaça, atum, semente de gergelim, grãos integrais, batata, levedo de cerveja e lentilha, que segundo ela, também auxilia na redução da irritação, insônia e alterações de humor durante a TPM.


Ilustração: Adenilson Maciel

 

O chocolate na TPM 

Outra característica bastante comum durante a Tensão pré-menstrual é a compulsão por doces.  Mais especificamente, por chocolates. Rosemary esclarece que isso ocorre devido um desequilíbrio hormonal com a serotonina.  “O chocolate é rico em triptofano, um dos precursores desse tipo de hormônio. O doce dá uma sensação de saciedade, porém é passageira. O correto é comer chocolates que contenham 60% ou mais de cacau, pois são mais saudáveis e as chances de engordar são menores”, afirma.

Além dos alimentos naturais, Carla diz que outras medidas não farmacológicas que auxiliam na diminuição dos sintomas são a acupuntura e a fisioterapia, pois tem, segundo a ginecologista, esses procedimentos tem um papel clínico importante para solucionar as dores de cabeça, mas que estão sendo realizados novos estudos para comprovar a eficácia desses tratamentos.

Com relação às atividades físicas, Fernando Mazota, afirma que o melhor exercício é aquele que a mulher se sente estimulada e motivada a continuar. “A atividade física deve ser vista como algo agradável, e não uma como uma obrigação. A combinação de um treinamento de força com exercícios aeróbios é uma estratégia interessante para aumentar a massa muscular, a massa óssea, regular os hormônios, aumentar a capacidade cardiovascular e melhorar o humor durante o período menstrual”, explica.